Projeto Olhos d'Água Carapebus/RJ contemplado com recursos

sábado, 28 de março de 2015


O projeto Olhos d'Água Carapebus/RJ, projeto piloto do Programa de Apoio a estratégia de Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) Olhos d'Agua da Ecoanzol, foi contemplado com o valor de R$ 200.000,00 do Comitê de Integração da bacia hidrográfica do rio Paraíba do Sul (Ceivap).

A conquista foi fruto da luta incessante da diretora Presidente Luiza Salles, coordenadora geral do projeto.

Em 2014 o projeto foi hierarquizado na segunda posição pelo edital de PSA Hídrico do Ceivap/Agevap.

"A comunidade de Carapebus estava engajada nesse projeto, não poderia desistir desse recurso. A parceria com Carapebus é antiga, e a confiança depositada na Ecoanzol é preciosa para nós"  ponderou Luiza.

O projeto foi elaborado em 2014, por quase dois meses de intenso trabalho, por uma equipe multiprofissional com Agrônomos, biólogos e técnicos de campo, contando com o apoio total do executivo e legislativo municipal de Carapebus/RJ.

Por ação conjunta dos dois poderes a legislação municipal de PSA está em tramitação, bem como a composição de um Grupo Gestor Ambiental, que congregará entidades diversas para a coordenação de atividades ambientais, incluindo a intitucionalização da Unidade Gestora do Projeto (UGP), requerida no edital da Agevap.

O recurso obtido alavancará as ações em torno da ação PSA no município, visto que o Carapebus possui mais de 70% de área rural, inseridas na área de amortecimento do Parque Nacional (PARNA) da Restinga de Jurubatiba.

Devido a exploração não sustentável do ambiente, muitas nascentes existente nas diversas propriedades rurais da região desapareceram.

Pagamento por Serviços Ambientais

O ambiente nos proporciona benefícios chamados de Serviços Ambientais. A intervenção do homem, modificando o ambiente para sua sobrevivência, vem causando degradação e redução do potencial do ambiente na oferta desses serviços. Os programas de PSA vem incentivar ao homem (produtores rurais, empresas, comunidades tradicionais, etc) a manter os ecossistemas em condições de continuar a fornecer esses serviços ambientais.

Nesse contexto os produtores rurais são considerados provedores de serviços ambientais, pois trocam o uso intensivo do ambiente por sua preservação e/ou recuperação. A sociedade é beneficiada diretamente pelos impactos positivos da preservação, como a manutenção do volume dos cursos d'agua, são os Beneficiários. Por fim, em geral as empresas, e os donos de passívos ambientais (dívidas com o ambiente), se configuram como Pagadores Ambientais, gerando o recurso que irá remunerar os provedores ambientais pelo serviço de preservação ambiental.

O PSA traz em seu bojo a participação desses três segmentos como atores, onde numa relação social-financeira, onde uma parte presta o serviço, um outra paga por esse serviço, e uma terceira fiscaliza essa transação, gerando um ciclo contínuo de preservação, compensação e benefícios ambientais a todos os envolvidos. 

Créditos Texto e Edição final: Marcelo dos Santos Ferreira

--

Nenhum comentário :

Postar um comentário